quarta-feira, 1 de maio de 2013

Desabafo


Não sei como começar. Imensas coisas que não me deixam falar, estão na minha cabeça e no meu coração como um novelo de lã. Mas isto é tudo para ti, para o meu aladino.
Sei que estás farto que eu fale da mesma coisa, mas eu não consigo deixar de pensar no que nos aconteceu. Sempre me disseram que o amor é um belo sentimento, eu senti o que era o amor, no verdadeiro sentido da palavra, mas neste momento eu odeio este sentimento. Não consigo perceber como é que o meu gato, deixou acontecer tudo isto. Como? Porquê? Será que a culpa é minha? Será que a culpa foi minha? Eu tenho quase a certeza que não.
Com esta dor aprendi uma lição para a vida. Nunca, mas mesmo nunca podemos acreditar que temos tudo de mãos dadas. Sei que neste aspecto falhei, pois o amor é como um jardim, temos de o regar, tratar para o manter vivo e vistoso, e não deixar que as ervas daninhas apareçam e estraguem. É a única coisa que eu acho que falhei.
A nossa relação sempre teve presa por uma corda e com um nó cego, mas esse nó e essa corda começaram a enfraquecer. A corda está em fios soltos e o nó está a ficar um laço que eu não quero que se desmanche.

Estás arrependido ter começado a namorar cedo? Sei que fui a tua primeira namorada e sempre me disseste que seria a última, mas será mesmo? Como é que alguém conseguiu estragar uma relação de quase uma década? 
Neste momento estás comigo, sempre a meu lado, mas eu sofro imenso. Vivo com receio que tudo volte a acontecer, que não nos deixe em paz, que me mintas, que escondas,... O que vamos fazer? O que queres fazer? Eu já te disse muitas vezes o que acho que é melhor para nós, pelo menos por enquanto. Deixa o pó assentar, deixa o tempo, a saudade, o amor falarem por nós.
Contudo isto, cada vez estamos mais distantes, as nossas conversas deram lugar a discussões, os nossos sorrisos deram lugar às lágrimas,os nossos abraços deram lugar às mãos dentro dos bolsos e sei que cada vez mais a vontade de estarmos juntos é pouca, não por falta de amor mas porque sabemos que vai haver discussões, lágrimas e amuos.
Porquê que deixamos de fazer tantas coisas que fazíamos, como ir ao cinema, sair à noite, ir às compras, andar a pé, irmos até à praia. Tu agora recusas-te fazer isso porquê? Porquê que agora só queres estar em casa? Porquê que deixas-te de ser o homem romântico, carinhoso, compreensivo, sempre disposto a ouvir, sempre com uma palavra de força e coragem. Onde estás tu meu príncipe? Até os nossos amigos já repararam isso, que estás diferente, mas mesmo assim tu não dizes o que se passa. Engoles e não dizes nada.

Sabes que isto está a matar-me por dentro, sabes que a minha cabeça anda a 1000. Tu conheces-me muito bem e eu também sei que estou diferente. Deixei de ser a namorada sorridente, sempre com novidades para contar, sempre com piadas, sempre bem-disposta.

Sabes muito bem que és tu o homem da minha vida, aquele que sempre sonhei construir uma família, sonhei para meu marido e sabes também que nunca quis casar, que para mim a festa é uma desperdício de dinheiro, mas também mudei de ideias quanto a isso porque para ti é muito importante teres a tua família por perto nesse dia especial.
Sabes também que sempre fiz tudo por ti, mesmo contrariada porque sei que certas coisas são importantes e eu só te quero ver feliz. Ver o teu sorriso faz-me ainda mais feliz.

Estou cansada de tentar recuperar o que já fomos, mas vou continuar. Afinal não tenho nada a perder.
Da tua eterna princesa.



Sem comentários:

Enviar um comentário